sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Curso técnico federal forma sua primeira turma em Casimiro de Abreu


O Instituto Federal Fluminense (IFF), em parceria com a Prefeitura de Casimiro de Abreu, entregou na última quinta-feira (28) o certificado de conclusão da primeira turma do curso Técnico de Segurança do Trabalho. Trinta alunos receberam seus diplomas após dois anos de estudos à distância, num total de 1.350 horas de aprendizado.

http://migre.me/gOvu1

Prefeito Antônio Marcos entrega casas populares, hoje, quarta-feira

 
O prefeito Antônio Marcos fará na próxima quarta-feira (4), às 18hs, a entrega das primeiras Casas Populares que estão sendo construídas no bairro Perimetral Leste, em Casimiro de Abreu. Os beneficiários fazem parte do Programa Minha Casa Minha Vida, do Ministério das Cidades, em parceria com a Secretaria Municipal de Habitação, Saneamento e Urbanismo. 
Todas as 56 unidades habitacionais possuem 46 metros quadrados de área edificada, dois quartos, sala, cozinha, banheiro e varanda, situada em terrenos com aproximadamente 140 metros quadrados. Trata-se de uma construção ecologicamente correta com tijolos estruturais e térmicos, e que poderá ser ampliada com mais um pavimento, se assim os proprietários desejarem. “O local possui toda infraestrutura como água potável, rede elétrica, galeria de águas pluviais e saneamento. São casas bem feitas, construídas com todo cuidado e carinho, comentou o prefeito Antônio Marcos.
Com as novas habitações, o bairro receberá toda a infraestrutura necessária. A Prefeitura de Casimiro de Abreu prevê a conclusão do Posto de Saúde do Perimetral Leste em breve, e mais o término da estação de tratamento de esgoto na região. “Ainda estão sendo construídas mais 79 casas no local graças a um convênio com o Governo do Estado, em parceria com a Companhia Estadual de Habitação do Estado do Rio de Janeiro – CEHAB. São moradias dignas para quem não tem condição de adquirir um terreno e pagar pela construção”, comentou Eliane Benjamim, secretária de Habitação. Eliane acrescentou que será criada uma Associação Condominial, que irá administrar os problemas relativos à segurança, fornecimento de água e energia, educação ambiental, transportes, entre outros. 
A Prefeitura investiu cerca de R$ 1.400.000,00 no projeto habitacional. Os contemplados com a moradia não terão nenhum custo com mensalidade, diferentemente de outros municípios. A decisão foi tomada pelo prefeito Antônio Marcos.

Publicado em 29/11/2013
  

Alunos da rede municipal participam de gincana ambiental em Casimiro de Abreu



A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Casimiro de Abreu realizou nesta quinta-feira (28), uma gincana para estimular ações de educação ambiental. Durante todo o dia, cerca de 120 alunos da rede municipal de ensino participaram de brincadeiras e dinâmicas que aconteceram na Escola Municipal Patrick Marchon Portal, no distrito sede.
A gincana finalizou a etapa de educação ambiental do Projeto Indaiaçu Mais Verde. “O principal objetivo desse projeto é conscientizar os alunos sobre a importância da preservação do meio ambiente. Atingindo as crianças elas acabam levando essas informações aos pais e responsáveis”, explicou Luizmar Mozer, diretor de meio ambiente da secretaria.
O projeto, que começou em outubro do ano passado, faz parte do Programa Verdes Matas, desenvolvido pela secretaria. O objetivo é resgatar a história do município e do rio Indaiaçu, além de conscientizar os alunos e moradores sobre a importância de preservar o meio ambiente.
Ao longo do projeto, foram realizadas várias atividades dentro e fora da sala de aula, como visita a Reserva Biológica União e ao viveiro municipal de mudas, plantio de papel semente, gincanas, entre outras. “O projeto trouxe a possibilidade de promover a educação ambiental junto às escolas, pois os professores passaram a trabalhar os conceitos ambientais, como, por exemplo, o que é uma mata ciliar, bacia hidrográfica e ecossistema”, observou a bióloga Josiane Oliveira.
Além das ações de educação ambiental, técnicos da Secretaria de Meio Ambiente recuperaram 5,3 hectares de mata ciliar no Vale do Indaiaçu, com o plantio de 13.250 mil mudas nativas, e continuam monitorando a área.  

Projeto Cozinha Brasil vai qualificar mais de 110 pessoas em Casimiro de Abreu



A Secretaria Municipal de Educação de Casimiro de Abreu, em parceria com o Serviço Social da Indústria- SESI, estará realizando entre os dias 2 e 4 de dezembro o Projeto Cozinha Brasil, que irá atender cerca de 110 pessoas, entre merendeiras e funcionários de apoio da rede municipal de ensino.
O evento acontecerá na sede da Secretaria de Educação, sito a Rua Padre Francisco Maria Talles, nº 570, bairro Mataruna. O curso de orientação alimentar, com carga horária de 10 horas, é composto de aulas práticas e teóricas sobre o aproveitamento integral dos alimentos, técnicas de preparo alimentar mais saudável, higiene e conservação dos alimentos e cuidados especiais com a saúde e a comida.
O projeto faz parte do Programa Nacional de Alimentação Escolar- PNAE - que tem a finalidade de valorizar os profissionais da área como “promotor de uma alimentação mais saudável e higiênica nas escolas”, segundo afirmou Andreza Kiffer, uma das coordenadoras do programa. As ações educativas são ministradas por nutricionistas com apoio das auxiliares de cozinha. “Elas utilizam uma linguagem de fácil entendimento e promovem a participação efetiva dos participantes”, acrescentou Andreza.
Todos os participantes com 100% de presença receberão certificados e as receitas preparadas em aulas. “A qualificação dos profissionais da área de educação, em todos os setores, é uma das determinações do governo Antônio Marcos. Ao longo de seu governo, o município já promoveu cursos de qualificação em diversas atividades profissionais, beneficiando a milhares de munícipes gerando mais oportunidade de renda e emprego para a população”, disse Gracenir de Oliveira, subsecretária de Educação.  

Blog apresenta personagens de NY e atrai quase 2 milhões de seguidores

Edição do dia 28/11/2013
29/11/2013 01h16 - Atualizado em 29/11/2013 02h18

Brandon Stanton sai pelas ruas conversando com moradores da cidade.
Em alguns minutos de conversa, ele encontra algo que vira atração no blog.

Elaine BastNova York, EUA

Quais são seus sonhos, preocupações e frustrações? O blog Humanos de Nova York atraiu quase dois milhões de seguidores ao responder essa pergunta com fotos e histórias de mais de dez mil desconhecidos.
Nas fotos de Brandon Stanton, ele não capta só imagens, mas o estado de espírito de quem é retratado. “É impressionante como tanta gente está disposta a contar segredos para um completo estranho", diz.
As fotos e as histórias por trás delas são publicadas em um blog batizado de  "Humanos de Nova Iorque", com quase dois milhões de seguidores.
Lá, encontramos a foto de uma senhora de 80 anos. “Ela me contou que quando o marido dela estava morrendo, ela perguntou “Moe, como vou viver sem você?” e ele respondeu “pegue o amor que você sente por mim e espalhe por aí”. Essa foi a única vez que um depoimento me fez ir às lágrimas na rua”, conta Brandon.
O site deu origem a um livro, que chegou ao topo da lista dos mais vendidos nos Estados Unidos.
Todos os dias, Brandon sai pelas ruas à procura de pessoas que tenham algo que torne essa grande metrópole mais humana, um olhar, um sorriso, uma experiência de vida. Em duas horas, Brandon tira em média 50 fotos e escolhe cerca de seis para postar na internet.
No passeio, logo conhecemos Ina. Brandon e ela conversam como se fossem velhos amigos. "Ela me disse que, quando era jovem, estudou política e queria mudar o mundo. Agora, com 31 anos, ela vende seguros. Ela contou que foi difícil abrir mãos dos sonhos da juventude".
Brandon conta qual é o segredo para se aproximar das pessoas. "Eu tento não parecer ameaçador, chego com a voz baixa, sempre sorrindo, e pergunto se posso tirar uma foto”.
Foi assim que Brandon descobriu que um homem havia acabado de conversar com o pai pela primeira vez em 16 anos e que o pequeno Rumi passou um dia vendendo os próprios brinquedos na rua para comprar um cavalo.
Fotografando e conversando com estranhos, Brandon diz que amadureceu. “Não são conversas sobre o tempo, sobre futebol, mas sobre as experiências importantes da vida das pessoas. É impossível não aprender também, não mudar”
.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Quem com ferro fere...

CORONELISMO

'Barbosa poderá responder por crime de responsabilidade', diz associação de juízes

Para magistrada, troca de magistrado no caso dos petistas presos desrespeita o princípio de independência judicial e pode resultar em impeachment de Joaquim Barbosa
por Redação RBA publicado 27/11/2013 14:43
Comments
VALTER CAMPANATO/ABR
barbosa
Ministro do STF ainda não esclareceu publicamente sobre a troca de juízes do mensalão
São Paulo – A cofundadora da Associação Juízes para a Democracia, Kenarik Boujikian, afirma que a entidade considera crime o afastamento do magistrado titular da Vara de Execuções Criminais do Distrito Federal, Ademar Silva de Vasconcelos, que era responsável por acompanhar a execução das penas dos petistas José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares, presos em Brasília.
No lugar de Vasconcelos, Barbosa nomeou o juiz substituto Bruno André da Silva Ribeiro, filho de um ex-deputado distrital do PSDB, o advogado Raimundo Rodrigues, e da advogada Luci Rosane Ribeiro, também militante tucana no Distrito Federal.
A troca poderá levar ao impeachment de Barbosa, segundo a juíza. “Proceder de modo incompatível com a honra, dignidade e decoro de suas funções é crime de responsabilidade e ele poderá ser indiciado”, esclareceu hoje (27) em entrevista à Rádio Brasil Atual.
Essa violação fere a democracia, porque vulnera o princípio constitucional de proteção ao cidadão”, argumenta a juíza. Kenarik explica que a troca de juízes desrespeita o princípio de independência judicial que garante que nenhuma parte envolvida no julgamento possa escolher o juiz que irá decidir sobre o processo.
“A medida serve para garantir a democracia. Nenhuma parte pode indicar o magistrado, inclusive o poder judiciário. Existem regras para assegurar transparência e para que não haja manipulação das decisões”.
    Outras entidades que congregam magistrados e advogados, como a Associação dos Magistrados do Brasil, a Associação Brasileira de Juízes Federais e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também tiveram posicionamento contrário ao afastamento de Ademar Silva de Vasconcelos e consideraram a decisão inconstitucional.
    O Conselho Federal da OAB encaminhará ofício ao Conselho Nacional de Justiça para que seja apurado se houve efetivamente a troca por pressão de Joaquim Barbosa. Além disso, a Associação Juízes para a Democracia requer que o ministro faça um esclarecimento público sobre o ocorrido. “Até agora nós só tivemos o silêncio”, ressalta Kenarik.

    Toda versão com intenção, já pode ser considerada uma mentira

    RECAÍDAS

    Globo manipula noticiário sobre denúncias envolvendo tucanos

    por Helena Sthephanowitz publicado 27/11/2013 12:42, última modificação 27/11/2013 13:05
    ALESSANDRO CARVALHO/AGÊNCIA DE NOTÍCIAS PSDB-MG
    aecio.jpg
    Aécio Neves, na visão da Globo, saiu-se melhor no debate em que mostrou não ter argumentos contra quem acusou
    Jornal Nacional da TV Globo de terça-feira (26) teve uma, digamos assim, recaída na edição de um debate político que se deu em duas entrevistas coletivas diferentes.
    De um lado, o senador Aécio Neves e a cúpula do PSDB convocaram repórteres para acusar o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de fazer dossiês políticos contra adversários, por causa do aparecimento de nomes de altos tucanos paulistas como supostos beneficiários do esquema de propinas por licitações combinadas do Metrô e da CPTM. O esquema foi confessado por executivos de multinacionais como Siemens e Alstom, escândalo que ganhou o apelido de "trensalão".
    Do outro lado, o ministro Cardozo também convocou a imprensa, mas para rebater as acusações feitas por Aécio. Ao seu lado estavam o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, e o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinicius Marques de Carvalho.
    Pois o telejornal da Globo selecionou "os melhores momentos" de Aécio, e os "piores momentos" de Cardozo. Na edição que foi ar, as críticas mais contundentes de Aécio foram as escolhidas para serem levadas ao público. Já a declaração mais contundente de Cardozo, em que ele disse "... a época dos engavetadores gerais de denúncias já acabou no Brasil há alguns anos. E eu me recuso a ser um engavetor geral de denúncias" foi suprimida peloJornal Nacional, que mostrou apenas as partes mais insossas do que foi dito pelo ministro.
    Citamos recaída, porque existe precedentes que vêm, por exemplo, do episódio já fartamente conhecido e admitido da edição do debate nas eleições presidenciais de 1989, entre Lula e Collor em que a emissora manipulou as imagens e contribuiu decisivamente para a eleição deste último.
    Na mesma edição de terça-feira, outra estranheza: não foi noticiada a apreensão de 450 quilos de cocaína em um helicóptero da empresa do deputado estadual Gustavo Perrella (SDD-MG), filho do senador Zezé Perrella (PDT-MG). Afinal não é todo dia que se vê um helicóptero da família de um senador ser flagrado pela polícia com carga tão exótica.
    A TV Record correu atrás da notícia, entrevistou o advogado do piloto Rogério Almeida Antunes que, preso, contradisse a versão do deputado de que a aeronave teria sido usada sem seu conhecimento. O piloto afirmou que fez duas ligações para Gustavo Perrella e foi autorizado a transportar a carga, oferecendo o sigilo telefônico como prova. Alega porém ter sido informado que seriam implementos agrícolas e que o deputado também não sabia tratar-se de drogas.
    Os problemas do deputado Perrella não se resumem ao incidente. Descobriu-se que o piloto foi nomeado para um cargo na Assembleia Legislativa mineira. Segundo o que disse o advogado, seu cliente era um funcionário fantasma no serviço público, pois não comparecia ao trabalho no Legislativo, ficando à disposição da empresa Limeira Agropecuária, de propriedade do deputado, como piloto. Gustavo Perrella confirmou a nomeação dizendo que o havia demitido na segunda-feira.
    Não se sabe dos bastidores que levaram a Globo a esconder uma notícia que, se envolvesse integrantes do PT, por exemplo, dificilmente deixaria de noticiar. O que se sabe é que o senador Zezé Perrella é do grupo político do senador do PSDB Aécio Neves. Chegou ao senado como suplente de Itamar Franco, eleito com apoio do tucano nas eleições de 2010.
    Zezé Perrella foi presidente do Cruzeiro Esporte Clube e ainda é influente entre os atuais cartolas do time. A TV Globo mantém negócios regulares com o Cruzeiro pelos direitos de transmissão dos jogos de futebol – interesses ampliados agora que o time mineiro disputará a Copa Libertadores no ano que vem.
    Voltando a falar em recaídas, lembremos que a emissora também blindou durante muito tempo o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira contra denúncias de corrupção em sua gestão. Em entrevista à revista Piauí, Teixeira disse que chegou a retaliar a Globo, mudando o horário de jogos da Seleção Brasileira para atrapalhar a grade de programação, quando a emissora divulgava notícias contra ele.
    Enfim, a emissora dos Marinho acrescenta mais um item à coleção de fatos a explicar à opinião pública e sobre que justificativas encontra para omitir informações relevantes sobre políticos com os quais mantém relações.
    registrado em:    

    segunda-feira, 25 de novembro de 2013

    Um gol de placa!...

    O pontapé para a ZEN

    • Prefeitura de Casimiro de Abreu pretende criar uma Zona Especial de Negócios na região
    Publicado:

    Novidade. Antônio Marcos (ao centro) mostra terreno da futura ZEN<252> Foto: Felipe Hanower

    Novidade. Antônio Marcos (ao centro) mostra terreno da futura ZEN<252> Felipe Hanower
    Uma das principais apostas da prefeitura de Casimiro de Abreu para fortalecer a economia do município é a criação de uma Zona Especial de Negócios (ZEN), onde seriam instaladas empresas de grande porte do setor de exploração e produção de petróleo. O prefeito de Casimiro de Abreu, Antônio Marcos (PSC), assinou no último mês o decreto que declara como utilidade pública para fins de desapropriação a área onde será implantada a ZEN. O espaço tem 3 mil quilômetros quadrados na zona rural do distrito sede, às margens da rodovia BR-101.
    Na visão do Antônio Marcos, o empreendimento demandaria grande quantidade de mão de obra, gerando empregos, e desenvolveria a economia da cidade.
    — Temos de aproveitar esse momento de grandes investimentos do mercado de petróleo. Casimiro está entre a Coperj (Complexo Petroquímico do Rio), em Itaboraí, e os portos da Petrobras de Macaé e Campos. Estamos muito bem posicionados. É a grande chance para conquistarmos a independência financeira do município — afirma.
    O secretário municipal de Fazenda Edson Mangifester acrescenta ainda que a prefeitura negocia atualmente com o governo estadual um desconto no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de apenas 2% para as empresas que estiverem instaladas na zona de negócios.
    Está previsto para novembro o resultado do laudo pericial que atualmente a equipe da Secretaria municipal de Obras realiza na região. Após a desapropriação da área, a prefeitura encaminhará para a Câmara Municipal o projeto de lei criando a Zona Especial de Negócios.


    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/bairros/especiais-bairros/o-pontape-para-zen-10857278#ixzz2lgGc1n1j 

    Quatro estilos em uma noite de boa música

    Programação especial comemora Dia do Músico em Casimiro de Abreu

    Nesta terça-feira (26), a partir das 19 horas, a Casa de Cultura Estação Casimiro de Abreu terá programação especial para homenagear aos músicos da cidade. Na programação quatro estilos musicais estão contemplados. São eles: pop, bossa nova, samba-choro e clássico. De acordo com o professor da Escola de Música Eliseu Tinoco Miranda, Flávio Freitas, os estilos foram trabalhados com os alunos a partir de projetos durante o semestre. “Estudamos os compositores nordestinos como Gilberto Gil e Hebert Viana, que ninguém sabe, mas é paraibano”, comentou.
    Ainda compondo o bloco pop, Lulu Santos também será homenageado por seus 60 anos. ‘Um certo alguém’, do compositor carioca, foi ensaiado pelo professor Bruno Parente e seus alunos.
    O centenário de Vinícius de Moraes será lembrado durante o evento, e alunos e professores executarão músicas do poetinha. Uma delas é a conhecida internacionalmente ‘Garota de Ipanema’.
    O samba-choro tem a sua vez com o professor Marco Polo e seus alunos. O compositor Valdir Azevedo será um dos homenageados. Os 150 anos de nascimento do pianista e compositor brasileiro Ernesto Júlio de Nazareth também estão na programação. Ernesto é considerado um dos grandes nomes do tango nacional, um subgênero do choro. Bruno Parente fez uma adaptação para violão do sucesso ‘Odeon’, composta em 1910.
    Nomes como Beethoven, Bart e Mozart não foram esquecidos e a música clássica se faz presente no evento, entre outras apresentações, com um grupo de flautas em homenagem a Polonaise Mozart, pai do referido artista.
    Para a diretora da Escola, Rolsely Oliveira, o trabalho a partir de projetos temáticos faz os alunos evoluírem musicalmente. “Nestas aulas há um enriquecimento cultural muito grande e isso poderá ser percebido na homenagem aos músicos”, adiantou Rosely.
    22 DE NOVEMBRO - O Dia do Músico foi comemorado no dia 22 de novembro, por ser também o dia da padroeira dos músicos, Santa Cecília.

    sábado, 23 de novembro de 2013

    Presos políticos, sim senhor!...


    Julgamento do "mensalão" abstraiu normas do direito para condenar próceres de um  governo insólito para os padrões tradicionais

    Tendo na platéia indócil milhões de brasileiros indignados com a impunidade secular da corrupção, os ministros do STF assomaram o proscênio iluminado para apresentar o espetáculo do vale tudo, na tentativa de produzir a catarse compensatória. Para isso, com a colaboração da mídia, elevaram ao maior paroxismo um processo em que alguns dos "vilões" saiam do primeiro escalão de um governo insólito para os padrões tradicionais, encabeçado por um ex-metalúrgico puxador de greves e depois por uma ex-prisioneira da ditadura, apostando no abalo de suas vigas - até a própria implosão -  para o que não vacilaram em projetar um mocinho de maus  bofes com poderes arbitrários de dar às leis e ritos sua hermenêutica personalíssima.
    CLIQUE NA IMAGEM PARA VÊ-LA MAIOR

    Foram mais de seis meses da primeira temporada, tempo maior do que de muitas novelas globais, num massacre contundente que reacendeu em milhões o sentimento sedento das arenas romanas. Não se disse exatamente o que cada um dos 40 arrolados inicialmente fez e não se separou quem tinha ou não direito a "foro privilegiado". Ao contrário, penduraram todos na mesma fieira, obtendo dessa mescla os elementos explosivos de alto teor corrosivo e poderoso impacto social.

    Não foram as inegáveis transgressões, aliás, nada originais, que levaram ao pelourinho, mas os efeitos bombásticos que poderia produzir a junção calculada de ex-heróis da resistência a banqueiros e empresários envolvidos num suposto esquema criminoso. Com as ilações disseminadas aos sete ventos foi possível engendrar uma ninhada gorda de bodes expiatórios para os quais, à primeira vista, as penas decididas ainda parecem mínimas aos olhos das torcidas organizadas.  
    O julgamento da Ação Penal 470 teve origem, fundamento e objetivos políticos com múltiplas facetas e visou mais do que os réus condenados, pinçados seletivamente em tal grau de má fé que se perguntarmos aos que festejaram as condenações quais os crimes efetivamente cometidos nos depararemos com respostas genéricas, apoiadas tão somente na inseminação artificial de epítetos de fácil consumo e em estratagemas evasivos.   


    De tal brilho foi o verniz que revestiu o vulgo "mensalão" que a própria corte se impôs a caça e configuração dos delitos na busca de substância para o que precisava ganhar formato jurisprudencial.


    Sua atuação sem precedentes, impulsionada por um ministro histriônico e descompensado, dispensou exigências primárias como o ônus da prova e ainda recorreu a interpretações arbitrárias de doutrinas que não se encaixavam nesse caso, como o uso dateoria do domínio de fato, cujo autor, Claus Roxin, um jurista alemão, fez questão de demonstrar sua aplicação descabida.


    Num país de paradoxos esfuziantes e conveniências inerciais assimiladas por vícios compensatórios não surpreende que alguns dirigentes do partido governante tenham sido objeto de uma ação penal seletiva, eivada de arbitrariedades e de hermenêuticas forçadas, numa rumorosa orquestração que os expôs como bandidos do que ganhou as vestes de um monstruoso moinho de corrupção. 

    O tratamento dispensado a esses réus levados ao cadafalso como devoradores dos cofres públicos nutriu-se da manipulada supremacia da versão sobre os fatos reais

     e os colocou no corredor da morte política enxertado de cultivados elementos de  contágio, num bem dosado jogo de cena para alvejar todos os que, por méritos ou por oportunismo, parecem fadados a permanecer à frente dos nossos destinos, a menos que fatos tais possam abater-lhes no caminho.

    Somente os maniqueístas estrábicos não vêem o caráter essencialmente político dessa longa novela em que sequer se pode atribuir os danos alvejados à exclusiva manipulação midiática. O judiciário supremo está na forja de intempestivas “doutrinas”, muito mais afrontosas aos direitos do que tudo o que se fez em 21 anos de ditadura explícita.

    Para incriminar o ex-chefe da Casa Civil, José Dirceu, contra quem não havia uma única peça comprobatória e nem mesmo depoimentos objetivos, o ministro Joaquim Barbosa usou e abusou da “teoriado domínio de fato”, inspirado indevidamente no criminalista alemão Claus Roxin, segundo a qual "autor não é só quem executa o crime, mas quem tem o poder de decidir sua realização", esteja ou não diretamente envolvido. 

    Sem ter como denunciar o  ex-chefe da Casa Civil de Lula, esse ministro de poucas luzes e excesso de ambições pessoais levou o colegiado pusilânime a segui-lo na dispensa de provas, sob pena de cair na boca do povo como tolerantes com os corruptos. Foi como se dois terços dos ministros precisassem demonstrar que não tinham rabos presos  com os governantes que os catapultaram aos píncaros do judiciário e agora respondiam seletivamente por toda a corrupção acumulada.

    Essa manipulação da teoria do domínio de fato pouco  foi comentada na mídia, com raras exceções,    fermentada pelos interesses que constrangem os atos e os passos dos governantes eleitos, inibindo-os do exercício de compromissos históricos de suas bandeiras.


    A prevalência dessa lógica casuística, que está no âmago da penalização espetacularizada,  se beneficiou de outra aberração processual – a inexistência do duplo grau de jurisdição, embora apenas 5 do 40 acusados tivessem previsto o julgamento no STF. É premissa legal, cristalizada nos pactos de direitos humanos, que cada processo tenha no mínimo uma instância de recurso, tanto para o acusado, como para o próprio ministério público.

    As evidências do caráter inegavelmente político da Ação Pena 470 estão em todos os seus movimentos, desde a dispensa dos processos individualizados, passando por sua pauta à frente de outros casos, inclusive o similar mineiro, anterior, que envolve um governador do PSDB, até o estabelecimento de um calendário direcionado, no qual o ministro Joaquim Barbosa almejou e conseguiu o nexo de situações mercê de inúmeras licenças médicas que pediu para levar o processo a seu próprio êxtase.

    No momento desejado por ele, passou a acumular a condição de relator e de presidente do tribunal, com o que  conseguiu a proeza de bater o corner e cabecear, preenchendo exclusivamente para ele todos os espaços midiáticos e ganhando a projeção que o habilita a ser o candidato ideal da direita nas eleições presidenciais de 2014. 

    A escolha de dois dirigentes petistas como réus de maior visibilidade sacia a vários apetites. A direita rancorosacujos crimes maiores na ditadura foram indevidamente “perdoados” pela tibieza dos civis entrantes, inclusive os constituintes de 88, ainda vive sob o fantasma de suas monstruosidades e não engole expoentes da contestação dos anos 60 na proa dos novos tempos.  

    A direita pragmática, que sabe muito bem compor com qualquer governo, teme um surto mutante a partir das bases partidárias e do aprofundamento das exigências das massas nas ruas, de onde opera seus próprios códigos de convivência com a vantagem de manter governantes contra a parede, limitando-os a programas compensatórios de eito caritativo, a providências pontuais assimiláveis e a uma política externa independente, embora sem confrontos.

    Não foi por acaso que o apedrejamento dos próceres governistas condenados se deu no mesmo momento em que o governo entregava ao “mercado” os achados da Petrobrás no pré-sal, facilitava a maior participação estrangeira no Banco do Brasil e retomava as privatizações pelos aeroportos, portos e rodovias rentáveis.

    Essa deliberada politização do julgamento só não mina fatalmente o governo encabeçado pelo PT por que suas políticas sociais se encaixam no sonho de consumo de uma massa paternalista e, principalmente, pela imagem depravada dos opositores de maior visibilidade, cujas travessuras podem ter sido protegidas pela mídia maior, mas não escapam ao boca-boca das ruas -  na era da internet até as paredes falam.

    Os próximos passos serão reveladores de todas as entrelinhas subjacentes ao noticiário pomposo.  Como há sempre um dia depois do outro, toda essa montagem aparentemente blindada vai desmilinguir-se como um castelo de areia.

    O que aconteceu até agora não se esgota em si. Os senhores juízes vão se dar por satisfeitos com a última proeza, o brilho nas telinhas de plasma, e mudarão de assunto com a expectativa de que a turba vai se empanzinar com as punições d’agora. A roubalheira mesmo, provada e comprovada até em tribunais estrangeiros, ficará à sombra das capas pretas endeusadas e não se falará mais nisso.


    O maniqueísmo perdurará para o deleite das elites dominantes e o jogo de cartas marcadas dominará, a menos que o povo acorde e readquira o juízo crítico de que foi destituído pelas tramas  e pela tecnologia midiática de um sistema vitorioso em seus propósitos de dominação.

    “Mensalão”: os fatos e a farsa


     18 DE NOVEMBRO DE 2013
    Seletivo e parcial, STF puniu PT mas omitiu-se diante da compra de votos por FHC, privataria tucana e 400 corruptores da era Collor…
    Por Bob Fernandes, em seu blog
    Há quem diga ser uma farsa o julgamento do chamado “mensalão”. Não, não é uma farsa. É fruto de fatos. Ou era mesada, o tal “mensalão”, ou era caixa dois. Mas não há como dizer que há uma farsa. E quem fez, que pague o que fez. A farsa existe, mas não está nestes fatos.
    Farsa é, 14 anos depois, admitir a compra de votos para aprovar a reeleição em 98 — Fernando Henrique –, mas dizer que não sabe quem comprou. Isso enquanto aponta o dedo e o verbo para as compras agora em julgamento. A compra de votos existiu em 97. Mas não deu em CPI, não deu em nada.
    Farsa é fazer de conta que em 98 não existiram as fitas e os fatos da privatização da Telebras. É fazer de conta que a cúpula do governo não foi gravada em tramoias escandalosas num negócio de R$ 22 bilhões. Aquilo derrubou um pedaço do governo tucano. Mas não deu em CPI. Ninguém foi preso. Não deu em nada.
    Farsa é esquecer que nos anos PC Farias se falava em corrupção na casa do bilhão. Isso no governo Collor; eleito com decisivo apoio da mídia. À época, a Polícia Federal indiciou 400 empresas e 110 grandes empresários. A justiça e a mídia esqueceram o inquérito de 100 mil páginas, com os corruptos e os corruptores. Tudo prescreveu. Fora o PC Farias, ninguém pagou. Isso foi uma farsa.
    Farsa foi, é o silêncio estrondoso diante do livro “A Privataria Tucana”. Livro que, em 115 páginas de documentos de uma CPI e investigação em paraísos fiscais, expõe bastidores da privatização da telefonia. Farsa é buscar desqualificar o autor e fazer de conta que os documentos não existem ou “são velhos”. Como se novas fossem as denúncias agora repisadas nas manchetes na busca de condenações a qualquer custo.
    Farsa é continuar se investigando os investigadores e se esquecer dos fatos que levaram à operação Satiagraha. Operação desmontada a partir da farsa de uma fita que não existiu. Fita fantasma que numa ponta tinha Demóstenes Torres e a turma do Cachoeira. E que, na outra ponta da conversa que ninguém ouviu, teve o ministro Gilmar Mendes.
    Farsa é, anos depois de enterrada a Satiagraha, o silêncio em relação a US$ 550 milhões de dólares. Sim, por não terem origem comprovada, US$ 550 milhões continuam retidos pelo governo dos EUA e da Inglaterra. E o que se ouve, se lê ou se investiga? Nada. Tudo segue enterrado. Em silêncio.
    O julgamento do chamado “mensalão” não é uma farsa. Farsa é isolá-lo desses outros fatos todos e torná-lo único. Farsa é politizá-lo ainda mais. Farsesco é magnificá-lo, chamá-lo de “maior julgamento da história do Brasil”.
    Farsa não porque esse não seja o maior julgamento. Farsa porque se esquecem de dizer que esse é o “maior” porque não existiram outros julgamentos. Por isso, esse é o “maior”. Existiram, isso sempre, alianças ideológicas, empresariais, na luta pelo Poder. Farsa porque ao final prevaleceu, sempre, o estrondoso silêncio cúmplice.


    Agregando incompatibilidades com alegria...

    Quem sabe, um dia, apesar das nossas sutis diferenças possamos nos relacionar sem medo ou desconfianças...

    sexta-feira, 22 de novembro de 2013

    Um sonho torna-se realidade

    Prefeitura anuncia entrega das casas populares
    A Secretaria Municipal de Habitação, Saneamento e Urbanismo de Casimiro de Abreu promoveu na última quinta-feira (21) uma Assembleia com os beneficiários do Programa Minha Casa Minha Vida para anunciar o cronograma de entrega das 56 casas populares, que ...
    Secretaria de Meio Ambiente realiza gincana ambiental
    Obras do Mercado do Produtor Rural seguem em ritmo acelerado
    Galpão receberá embalagem de agrotóxico em Casimiro de Abreu