Pular para o conteúdo principal

Postagens

Ser livre...

 Ser livre, é ser a causa das suas próprias ações. No entanto, o homem é como um oceano, onde os ventos contrários geram ondas. Essas ondas não são geradas pelo próprio oceano, mas sim pelos ventos contrários... Ou seja, o homem está exposto ao caos pelas forças dos ventos contrários, e por isso está sob a servidão. Não é livre para gerar do seu íntimo o poder criativo nas suas ações devido ao constrangimento das forças alheias que vem de fora. As forças da sua liberdade precisam vir através da criativa força de dentro de si. São elas carentes da sua criativa libertação. É a famosa "Vontade de Potência", denominada por Nietzsche. Só é livre, aquele que pode efetuar conforme sua natureza, sem a interferência das forças externas. Assim, questiono o chamado "Livre Arbítrio", pois se ele requer um querer, como pode se livre para querer? Dependente desse querer ele jamais pode arbitrar livremente. 
Postagens recentes

Bolsonaro late e os generais fazem negócios

  Sábado, 11 de setembro de 2021 O Partido Militar se articula para ficar no poder. A caravana passou, com os cães latindo ao volante de caminhões, caminhonetes e (muitos) carros caros e (alguns) nem tanto, além de incontáveis motociclistas – tipos mal-encarados ao estilo Selvagens de Alphaville ou Demônios do Condomínio de Luxo – e muita gente a pé e em ônibus. Foi grande, não vou mentir: assisti da calçada, em Brasília, a um desfile que parecia interminável de gente disposta a derrubar a democracia em nome de um governo genocida e corrupto.  Mas, para imaginar o que virá a seguir, convém deixar a parada de bolsonaristas e as missivas de lado e olhar para as figuras que levaram Bolsonaro ao Planalto, e que vêm chamando muito menos atenção do que deveriam: o tal do Partido Militar. Os generais da reserva que escoltaram o indisciplinado ex-capitão à Presidência e que se movimentam para se manterem no poder – e com poder – enquanto Bolsonaro se dedica a aterrorizar o país com a ameaça de

Emilio Santiago

 

João Bosco e Djavan

 

Noites Cariocas

 

Zé da Velha e Silvério